Carbúnculo Sintomático em Bovinos

Foto: Comunicação Ourofino

 

O carbúnculo sintomático é uma doença infecciosa aguda causada pela bactéria Clostridium chauvoei. Causa inflamação nos músculos, toxemia grave e alta mortalidade, é de extrema importância devido às grandes perdas econômicas que ocorrem nas criações bovinas. Essa doença também é chamada de “manqueira” devido à intensa claudicação apresentada pelos bovinos afetados.

A morbidade da doença é elevada, pois muitos animais podem albergar esporos dormentes em suas massas musculares, devido à alta contaminação do solo pelos esporos. Geralmente acomete bovinos entre seis meses a dois anos de idade. A taxa de letalidade do carbúnculo sintomático se aproxima dos 100%.

A infecção ocorre quando os bovinos ingerem os esporos, presentes no solo durante o pastejo, e esses esporos alcançam o intestino e penetram pela mucosa entérica e por meio da circulação alcançam o fígado e massas musculares. O Clostridium chauvoei tem preferência por se albergar nas grandes massas musculares dos membros posteriores e também se localizam nos músculos dorsais, cervicais, diafragma e coração. Os esporos permanecem dormentes nos vasos das massas musculares e quando ocorre um trauma na região, como coice ou quedas, cria-se um ambiente anaeróbio (sem oxigênio), que favorece a germinação dos esporos e produção das toxinas bacterianas, a partir daí forma-se o quadro de gangrena e consequentemente desencadeia os sinais da “manqueira”.

Os sinais clínicos se caracterizam por claudicação acentuada, geralmente com inchaço da parte superior do membro acometido, apatia, perda do apetite, atonia ruminal, febre, entre outros. Nos estágios precoces, o inchaço é quente e doloroso, mas logo se torna frio e indolor e o edema e crepitação (subcutânea) causada pelo gás liberado podem ser sentidos. A pele perde a cor, torna-se seca e rachada. A doença se desenvolve rapidamente e o animal vem a óbito em 12 a 36 horas após o aparecimento dos primeiros sinais. Muitos animais podem morrer sem que sejam observados os sinais clínicos.

Os bovinos encontrados mortos por carbúnculo sintomático estão quase sempre deitados de lado e com o membro posterior acometido estirado. O timpanismo e a putrefação ocorrem rapidamente e o sangue de aspecto espumoso flui pelo nariz, vulva e ânus.

O correto diagnóstico do Carbúnculo Sintomático é muito importante para que sejam adotadas medidas eficazes de prevenção e tratamento dos outros animais susceptíveis do rebanho. O tratamento do Carbúnculo Sintomático pode ser feito com altas dosagens de penicilina e suporte com fluidoterapia, porém o sucesso é mínimo e quase todos os animais vêm a óbito. Animais muito afetados pela doença, com muitas lesões musculares tem menos chance de sobreviver do que os animais com menos lesões, por isso o controle da doença é predominantemente baseado na prevenção, que é feita com a vacinação (Ourovac Clostridium, na dosagem de 5 mL, administrado pela via subcutânea em bovinos).

Ourovac Clostridium (Ourofino) é uma vacina clostridial polivalente contra: Carbúnculo Sintomático (Manqueira), Gangrena pós-parto, Gangrena Gasosa ou Edema Maligno, Hepatite Infecciosa Necrosante (Doença Negra), Doença do Rim Polposo, Hemoglobinúria Bacilar, Enterotoxemia e Morte Súbita. É muito importante a orientação do médico veterinário para o correto diagnóstico e utilização dos medicamentos.

 

Literatura consultada:
BLOOD, D.C. e RADOSTITS, O. M. Carbúnculo Sintomático. In: BLOOD, D.C. e RADOSTITS, O. M. Clínica Veterinária. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1991. 7ed. 508-510.
PAES, A. C. Clostridioses Gangrenosas. In: PIRES, A. V. Bovinocultura de Corte. Piracicaba-SP: FEALQ, 2010. v.2. 892-901.

Por Gabriela Tortorelli

14Comentários

  1. 19 de fevereiro de 2013 às 14:46 Pedro Henrique:

    Esta informação é muito importante. Pois ao deparar-se com um animal morto e expelindo sangue pelas narinas, o diagnóstico é dado de forma leiga no ato, afirmando ser picada de cobra.
    Esta informação vem trazer a importância do disgnóstico correto, evitando danos futuros.

    Att Pedro Henrique

  2. 20 de fevereiro de 2013 às 12:31 Ourofino Agronegócio:

    Obrigado pela sua colaboração, Pedro!

  3. 25 de agosto de 2013 às 0:27 edicarlos:

    ola,boa noite,na fazenda do meu pai,adoeceu 5 novilhas com idade de 1 ano e meio
    e uma morreu,o sintoma era ,,,falta de apetite arrepiamento do pelo,e peladeira pelo o corpo,e quando a ferida sara, fica preto o local…o que vc me diz sobre essa infomaçao,,obrigado,boa noite.

  4. 29 de agosto de 2013 às 11:15 Ourofino Agronegócio:

    Prezado Edicarlos, obrigado pelo seu contato.
    Confira em seu e-mail as orientações da nossa equipe.

  5. 7 de novembro de 2013 às 14:17 Nilce Mazeto:

    Ola aqui no sitio temos uma vaca de grande porte na sexta feira 01/11/13 ela apresentou falta de apetite fizemos mercepton 40ml no sabado estava tambem com diarreia ai fizemos mercepto mais ripercol ai liguei pro veterinario ele me disse que é carbunculo.Oque vcs me diz

  6. 11 de novembro de 2013 às 18:43 Ourofino Agronegócio:

    Prezada, obrigado pelo seu contato.
    Enviamos as orientações para o e-mail informado.

  7. 20 de janeiro de 2014 às 8:38 Mila:

    Ola no sábado 18/01/2014 um vitelo teve uma perfuração traumática na cavidade abdominal. Suturei a parte interna e a pele. Fiz Monovik K, inflamatório, Vitamina complexo B, penicilina. O animal alimenta-se, a ferida esta a cicatrizar. No entanto hoje 20/01/2014 apesar do animal estar activo, a região do tórax e a pata dianteira do lado onde o animal foi ferido esta a crepitar. Sera Carbunculo sintomático?

  8. 20 de janeiro de 2014 às 18:37 Ourofino Agronegócio:

    Prezada Mila,
    É com grande satisfação que recebemos seu contato. Recomendamos que relate suas dúvidas a um Médico Veterinário, pois após avaliar seu animal pessoalmente, terá condições de lhe indicar o protocolo mais adequado.
    Estamos à disposição para mais informações.

  9. 11 de fevereiro de 2014 às 1:28 alexandre:

    boa noite, gostaria de saber exatamente qual a reaçao adversa sentida pelos animais após a vacinação carbunculo.Pois vacinei umas novilhas e no local da aplicação aconteceu um inchaço muito grande, e os animais parecem sentir bastante dor sera que isso é normal?e sera que tem algum meio para que isso não aconteça?ficarei muito grato de receber uma resposta de voces muito obrigado.boa noite

  10. 17 de fevereiro de 2014 às 18:52 Ourofino Agronegócio:

    Prezado Alexandre,
    Como em qualquer procedimento que se inocule algum “material/substância” estranho (vacina) no animal, é possível ocorrer uma reação indesejada.
    Mas respondendo sua pergunta: isto não é normal. É comum acontecer, mas não podemos admitir como normal. O normal é o animal ser vacinado e responder naturalmente, ser dor ou reação à vacina.
    As reações são comuns nas vacinações contra febre aftosa, devido ao fato da vacina ser oleosa. Para vacinas anticlostridiais, embora não seja frequente, podem acontecer reações adversas na vacinação.
    Não se sabe o motivo, mas observa-se um maior número de reações em animais de origem Jersey.
    Destaco que a vacina deve ser feita subcutânea (SC) e não intramuscular (IM). Embora muitas vacinas sejam recomendadas IM, se ocorrer uma reação adversa o quadro clínico é menos grave quando a injeção é SC.
    Observe os cuidados de assepsia pré-vacinação e de limpeza de pistolas e manejo de agulhas; isto fundamental para o bom resultado no processo de vacinação. Também não deixe de consultar um veterinário de confiança.

    Att, Ourofino.

  11. 13 de março de 2014 às 13:05 Maria Madalena da Silva:

    Foi uma informação muito valiosa

  12. 13 de março de 2014 às 13:20 Ourofino Agronegócio:

    Olá Maria Madalena,
    É uma grande satisfação receber o seu contato.
    Obrigado!

  13. 20 de março de 2014 às 23:57 lizara junges:

    hoje morreu um terneiro de mais ou menos 2 anos tava bem gordo,e quando fomos ver ele ja estava morto no campo.sera que pode acontecer com os outros animais que estao no mesmo campo???

  14. 25 de março de 2014 às 13:34 Ourofino Agronegócio:

    Prezada,
    Primeiro é necessário saber qual a causa da morte desse animal, para isso é necessário a consulta de um médico veterinário, que irá avaliar toda a situação. No caso da suspeita de carbúnculo, deve-se verificar se as vacinações foram realizadas em dia, caso sim, e o diagnóstico for confirmado (Carbúnculo) a Ourofino oferece o protocolo de vacinação em casos de surto com uma dose, reforço depois de 15 dias, e uma terceira dose aos 6 meses após a primeira. Depois deverão ser feitas as vacinações anuais para trabalhar de maneira preventiva. Lembrando que clostridioses devem ser controladas primordialmente por meio de medidas profiláticas como vacinação.

    Att,
    Ourofino

Deixe seu Comentário